"Eu não sou uma sonhadora. Só devaneio para alcançar a realidade!" C.Lispector

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Rainha.

Vaguei pelo jardim a fora, era madrugada e a luz da Lua plenamente cheia iluminava meu caminho, mas não meu coração. Me sentia uma castelã de um castelo vazio, correndo em direção à minha própria guilhotina. Eu que sempre fui dona da verdade dentro de meu próprio reino! Como ousavam julgar-me traidora? Como desconfiaram do meu sangue azul, de minha pureza virginal? Como se quer pensaram que minhas palavras pudessem ser mentiras ou que meus atos pudessem ser falhos?
Meu coração que nunca amou agora se econtra em pedaços. Antes mesmo de doar todo meu amor, antes de me amarem como pessoa que sou (me exaltavam apenas como soberana), fincaram sem dó uma espada em meu coração, eu que era somente uma pobre alma perdida.
Minhas horas se findaram. Não na guihotina, escapei das falsas acusações. E depois disso não havia mais porque respirar, não havia o que eu defender. Eu me via indo pra um lugar distante de meu reino, e isso era mínimo necessário para decretar-se o meu fim. Claro que meu reino ficaria bem, mas eu não.
Uma rainha presa na própria masmorra, que virou súdita de suas próprias ações, de seu próprio duro, guerreiro e vazio coração.







(à lá Elizabeth I.. rs)

11 comentários:

  1. Muito bom Jéssica, usou com maestria as palavras e o sentimento nesse belo conto. É gratificante ver alguém tão jovem escrevendo dessa maneira, parabéns.
    E obrigado pela visita.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito! abraço. Voltarei outras vezes

    ResponderExcluir
  3. Esse texto é tão profundo, parece uma verdadeira rainha relatando fatos..
    Amei.
    :D

    ResponderExcluir
  4. Às vezes temos o controle sobre todo um reino, mas perdemos sobre o nosso próprio coração!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Muito bem escrito!
    Acho que um dos melhores que aqui li.
    Sei como é me sentir assim!
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Saudades.. obrigada por não desistir do D'lírios..

    Abraços!

    Amei o texto.. singelo como teu sorriso!

    ResponderExcluir
  7. Mas as rainhas sempre ficam presas às próprias ações.
    grandes poderes exigem grandes responsabilidades, disse o homem aranha.

    ResponderExcluir
  8. Prisão maior é aquela que NOS prendemos.

    Gostei do seu texto, lindo!

    ResponderExcluir
  9. mas há alegria do outro lado do reino também !!!!

    só estando lá para saber...

    belo texto !!!

    beijo

    ResponderExcluir
  10. Quero ler mais coisas suas, posso?! rsrsrs

    ResponderExcluir

"Eu vou me acumulando, me acumulando, me acumulando - até que não caibo em mim e estouro em palavras." - C. Lispector