"Eu não sou uma sonhadora. Só devaneio para alcançar a realidade!" C.Lispector

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Os sinos se dobram em uma
melo
dia
gostosa para os ouvidos de quem a escuta.
Porém,
os carros com suas buzinas e motores
e gente gritando ao trânsito
abafam esse canto de anjos.
Afobados seguem para suas
rotinas,
retinas não mais se encontram.
Pupilas dilatam-se à luz do semáforo
que ofusca a luz do Sol.
Sal,
salário
não salgado para o trabalhador diário.
Mas eu ouvi,
mais alto que a sinfonia do tráfego infernal
a verdadeira música.
Quem diria?
É dia.

5 comentários:

  1. Entre você e o mundo há o cotidiano - o cotidiano como critica do mundo. Muito bom! Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. E quem diria que viveríamos em um mundo como esse? O futurismo que tanto inspirou alguns poetas modernista tomou conta de nossas vidas.
    Gostei muito desse texto. Estou em dúvida se posso julgá-lo como poesia ou micro narrativa...
    Ainda essa semana coloquei algo parecido em meu espaço. Se puder, apareça. Ele foi recém criado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Curto, direto, encantador.
    Amei em especial "Os sinos se dobram em uma
    melodia gostosa para os ouvidos de quem a escuta.
    Porém,
    os carros com suas buzinas e motores
    e gente gritando ao trânsito
    abafam esse canto de anjos."
    :)

    ResponderExcluir
  4. E assim, até o caos desse cotidiano fica bonito! Adorei!

    ResponderExcluir

"Eu vou me acumulando, me acumulando, me acumulando - até que não caibo em mim e estouro em palavras." - C. Lispector